quinta-feira, 16 de julho de 2009

Áspero amor

Áspero amor, violeta coroada de espinhos,cipoal entre tantas paixões eriçado,lança das dores, corola da cólera,por que caminhos e como te dirigiste a minha alma?Por que precipitaste teu fogo doloroso,de repente, entre as folhas frias de meu caminho?Quem te ensinou os passos que até mim te levaram?Que flor, que pedra, que fumaça, mostraram minha morada?O certo é que tremeu a noite pavorosa,a aurora encheu as taças com seu vinhoe o sol estabeleceu sua presença celeste,enquanto o cruel amor sem trégua me cercava,até que lacerando-me com espadas e espinhosabriu no coração um caminho queimante. Pablo Neruda